Cabeçalho Ads

João lourenço visita hospital Pediatrico David Bernardino ao Controlo do Cancer |Wilton News Saúde

Em declarações prestadas à imprensa, após a visita de constatação do Presidente da República, João Lourenço, ao Instituto Angolano de Controlo do Câncer, ao Hospital Pediátrico “David Bernardino” e ao dos Queimados, no bairro Neves Bendinha, Sílvia Lutucuta disse que vão ser criadas todas as condições para que, a médio e longo prazos, as unidades oncológicas sejam construídas.
A par disso, defendeu que se continue a fazer um trabalho de sensibilização e promoção da saúde e diagnóstico precoce das doenças oncológicas, numa altura em que um dos grandes dramas é que muitos doentes vão à unidade num estado terminal. “Temos de ser mais actuantes no plano da prevenção”, disse a ministra Sílvia Lutucuta que anunciou a instalação de unidades móveis para o diagnóstico do cancro da mama, que é dos mais frequentes.
Quanto à necessidade de implantação de mecanismos de denúncias nos hospitais, a ministra disse ter sido criado, recentemente, uma área de ética e humanização que está a trabalhar na regulamentação e constituição de um departamento do utente para um maior controlo do atendimento desumanizado que, admitiu, ainda ocorre em muitas unidades hospitalares.
O Instituto Angolano de Controlo de Câncer é, até agora, a única instituição pública que tem vocação de prevenção, diagnóstico, tratamento e seguimento dos pacientes que sofrem de cancro. Para contrariar o quadro, os novos centros vão ser construídos nas províncias de Malanje, Cabinda, Huambo e Huíla.
O objectivo é desconcentrar a procura que incide no Centro Oncológico de Luanda, explicou o director-geral do Instituto, Fernando Miguel.
Só no ano passado, revelou, foram registados 1300 novos casos, o que representa um aumento de 17 por cento, comparado com o ano anterior. Nesta altura, seis mil pacientes estão a ser seguidos clinicamente. Deste número, o instituto controla cerca de 150 crianças. De forma geral, os tipos de cancro mais frequentes são os da mama, colo do útero e o da próstata. Nas crianças o mais frequente são os tumores dos rins e os tumores líquidos, que são os linfomas e leucemias. O médico explicou que o aumento da procura pelos serviços oncológicos deve-se ao facto de as pessoas terem despertado mais para a existência da doença, o que as leva a fazerem mais rastreio. Por isso, na sua visão, com mais meios, era possível fazer face ao actual nível de procura.
Actualmente, cerca de 85 por cento dos pacientes chegam ao centro num estado muito avançado, segundo o responsável. Com capacidade para 80 camas, o centro funciona com apenas 35 camas, pelo facto de o tratamento oncológico com quimioterapia e radioterapia não requerer internamento. É ambulatório. “Hoje, temos as doenças crónicas não transmissíveis, que não revelam sintomas e são mudas, como é o caso das diabetes e do cancro”, disse o responsável que aconselha a mais exames, já que estas doenças não dão sinais.

Sem comentários